:)

Manual De Sobrevivência Filosófico: Do Amor Ao Desejo, Da Angústia À Felicidade,Da Moral À Justiça, Os Textos Clássicos

R$49,90 R$39,92

Quando a Filosofia é melhor que a autoajuda Os maiores filósofos da História da Humanidade refletem, nesta seleção de textos… (veja a descrição completa)

Em estoque

Prestar Queixa
REF: 9788584840304 Categorias: , Tags: ,

Marca

Jardim Dos Livros (Geracao)

Informação adicional

Peso 0,458 kg
Dimensões 2 × 15 × 23 cm

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Apenas clientes logados que compraram este produto podem deixar uma avaliação.

Lamento, não há ofertas disponíveis.

Quando a Filosofia é melhor que a autoajuda Os maiores filósofos da História da Humanidade refletem, nesta seleção de textos, sobre as grandes questões da existência, as que mais nos preocupam no dia a dia. Eles nos ensinam, com linguagem simples e clara, a resolver desde os mais elementares até os mais complexos dilemas do cotidiano. Amor, beleza, desejo, ética, existência, felicidade, justiça, liberdade, loucura, moral, morte, política, prazer, religião, sabedoria, tempo – nada escapa, nessa coletânea organizada, apresentada e comentada, com clareza e bom humor, por Claudio Blanc, editor e tradutor com formação em Filosofia. Você vai encontrar aqui um brilhante e enriquecedor diálogo de gênios, a partir de Sócrates, Platão, Epicuro e Sêneca, passando, entre outros, por Agostinho, Espinosa, Descartes, Maquiavel, Hegel, Kierkegaard, Schopenhauer, Nietzsche e Sartre – todos apresentando soluções fáceis para os mais complexos problemas do cotidiano. Este Manual de sobrevivência filosófico prova, categoricamente, que filosofia pode funcionar melhor que autoajuda. “As mulheres podem ser conquistadas pelo dinheiro, mas esse caminho nunca levará ao amor. O amor não só não pode ser comprado, como o dinheiro o mata.” – Jean-Jacques Rousseau “O meu desejo é uma impaciência eterna.” – Kierkegaard Ora, se injustiça é iniquidade, então a justiça é igualdade, coisa que é aceita por todos sem ser necessária demonstração.” – Aristóteles